Wagner e Neto tentam mais uma vez fazer o metrô de Salvador funcionar

Diante da imprevisibilidade de uma solução para o impasse entre a prefeitura de Salvador e o governo da Bahia na questão do metrô da capital baiana, a seção Bahia da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) emitiu nota crítica à falta de entendimento entre as instâncias governamentais. De acordo com a entidade, “o maior prejudicado com a situação é, sem dúvida, o trabalhador”. Segundo as assessorias dos Palácios Thomé de Souza e Ondina, a reunião para definir o funcionamento do metrô vai acontecer hoje, às 13h30, na Governadoria.

A previsão inicial era para o encontro ser realizado nessa quarta-feira (3/4), porém, a posse do novo ministro dos Transportes, o baiano César Borges (PR), prorrogou a estadia do governador Jaques Wagner em Brasília e houve choque de agendas. Diante do impedimento, a dificuldade era encontrar compatibilidade de horários de Wagner e do prefeito ACM Neto. Pelos últimos pronunciamentos públicos dos chefes dos Executivos estadual e municipal, o entendimento caminha para acontecer a partir de uma nova proposta para a integração dos sistemas metroviário e rodoviário, até então grande obstáculo para a transmissão definitiva do metrô para o controle do governo da Bahia.

De acordo com a nota encaminhada pela CTB à imprensa, a demora para finalização do projeto, que já dura 13 anos, mostra que “Salvador parece parada no tempo, impondo a sua população a humilhação de conviver com um trânsito caótico, ônibus sucateados, lotados, atrasos nas linhas e congestionamentos diários, que consomem a qualidade de vida do trabalhador”.

“Dos 12 quilômetros do projeto inicial apenas 6 foram construídos ao custo de cerca de R$ 700 milhões. As composições e os 24 vagões adquiridos em 2008, por R$ 100 milhões, estão em galpões sendo sucateados. Um desrespeito com o dinheiro público”, critica a central sindical.

Por enquanto, o debate sobre o funcionamento do modal acontece entre a prefeitura e o governo estadual. As propostas apresentadas até então divergem no sistema de alimentação do metrô, que para a prefeitura deveria ser totalmente integrado ao sistema regular de ônibus urbano e para o governo o melhor caminho seria a criação de linhas exclusivas para dar vazão aos passageiros de ambos os sistemas.

Para o público, o clima que pareceu tenso com declarações de representantes do Palácio de Ondina, aparentemente teve um arrefecimento natural com o adiamento da decisão final.

Entre os pontos criticados pela CTB estão justamente as supostas motivações para o atual impasse, sugerido nos bastidores como pressão de grupos empresariais. “A decisão não pode atender interesses meramente comerciais ou políticos, mas sim o interesse do cidadão que exige a escolha da solução que menos onere a tarifa”, defende a nota.

*Publicada originalmente na Tribuna da Bahia de 04 de abril de 2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: