PV expulsa Beth Wagner. PT e PSB podem ser o destino

Após tecer duras críticas com a aliança formada entre o PV e o DEM, ainda no primeiro turno das eleições 2012, a ex-vice-prefeita e ex-diretora do Instituto do Meio Ambiente (IMA) Beth Wagner foi expulsa oficialmente dos quadros verdes. Segundo a própria Beth, a justificativa utilizada foi a infidelidade partidária dela, frente aos rumos optados pelo partido no último pleito. Nos bastidores, entretanto, um desentendimento pessoal entre ela e dirigentes estaduais do PV culminaram com a expulsão da ex-vice-prefeita. “Por incrível que pareça, eu fui expulsa do PV por defender as bandeiras do próprio partido.

O motivo que eles alegaram foi a infidelidade partidária, mas eu continuei defendendo os princípios do PV”, reclamou Beth. De acordo com a ex-verde, o DEM e o agora prefeito ACM Neto foram os principais articuladores para a aprovação do Código Florestal, chamado por ela pela alcunha de “motosserra”, e, portanto, não era “possível permanecer na legenda”. “Era uma questão de tempo para que isso acontecesse, pois eu já não me encaixava nesse programa”, completou. “A essa altura da minha vida, não tenho como me tornar uma ‘neocarlista’ como esse PV. Não tenho nada a ver com esse partido que está aí”, protestou.

Antiga militante de esquerda, a aproximação do PV com o DEM foi apenas a razão oficial para o fim da relação dela com os verdes – Beth Wagner não apoiou a chapa formada entre os partidos, preferindo manifestar apoio a outra composição. De acordo com fontes do partido, porém, havia um atrito latente entre ela e o ex-presidente estadual da sigla, Ivanilson Gomes, que culminou com a expulsão, considerada, por alguns dirigentes, precipitada.

As razões iam além da ideologia, perpassando por desentendimentos pessoais entre ambos. Sobre o futuro, a ex-verde ainda não possui destino certo. “Rede Sustentável [o novo partido, em processo de criação], o PSB, que são agremiações em que pode haver um debate, estamos conversando. Uma legenda que possa discutir politicamente”, explica.

O PT, por meio do deputado estadual Marcelino Galo, apressou-se em convidar a recém-expulsa. “Ainda não consultei a Executiva do Partido, mas se ela quiser vir para o PT será recebida de braços abertos. Ela é uma mulher guerreira, militante ambientalista e respeitada em todo o Brasil”, defendeu Galo.

*Publicada originalmente na Tribuna da Bahia de 26 de fevereiro de 2013. Reprodução autorizada desde que citada a origem da matéria.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: