PT admite necessidade de reajustes no programa baiano

Mesmo veladas, as críticas do PCdoB sobre o relacionamento do governo do estado com movimentos sociais encontrou repercussão dentro do próprio PT, que lidera o programa das esquerdas para a Bahia. De acordo com o presidente estadual petista, Jonas Paulo, a preocupação em reativar pontos importantes como o diálogo com movimentos sociais faz parte de um compêndio de sugestões encaminhadas pelo diretório estadual da sigla para o Palácio de Ondina.

“É necessário dinamizar áreas como infraestrutura e urbanismo, por exemplo, e ativar o diálogo com movimentos sociais principalmente nos médios centros. Para nós, o governo deve aguçar sua sensibilidade para esses movimentos, algo que já tínhamos observado desde o final do primeiro turno das eleições”, admite Jonas Paulo. Mantendo tom semelhante ao adotado pelos comunistas Alice Portugal e Daniel Almeida em matéria publicada na Tribuna, o petista ressalta que as relações com associações de classe e categorias profissionais podem ser melhor trabalhadas, principalmente os formadores de opinião.

O dirigente não fala abertamente sobre quais setores devem ser os principais alvos, porém manifesta o interesse em reaproximar o diálogo com a classe média – classificada por analistas políticos como decisiva para as revezes de grupos ligados à direita nas duas principais cidades da Bahia, Salvador e Feira de Santana. Para Jonas Paulo, “o momento é mais no sentido de aperfeiçoamento e consolidação do projeto do PT para a sucessão de 2014” do que para apresentação do projeto que está há seis anos à frente do governo estadual.

“A esquerda teve um desenvolvimento bom nas médias e grandes cidades, porém aquém do esperado. O governo desenvolveu bons projetos no âmbito rural, que são importantes, mas é preciso ampliar os investimentos em áreas urbanas para continuar a luta democrática e progressiva”, pondera o petista. Segundo ele, as críticas das lideranças do PCdoB não são encaradas negativamente, mas no tom de construção do “projeto das esquerdas” para a Bahia – “muito mais sugestões do que críticas”, aponta. “Achamos importante o diálogo. Tem algumas áreas que precisam ser mexidas e não estou falando de troca de secretários nem nada. Apenas reajustes para trabalhar a política. Os movimentos sociais têm que ser analisados num sentido mais amplo”, completa Jonas Paulo.

*Publicada originalmente na Tribuna da Bahia de 29 e 30 de dezembro de 2012
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: