Ainda são os mesmos como os próprios pais

Algumas experiências são indescritíveis, mesmo para aqueles que as vivenciaram. No último sábado (19/03), ao ter participado de um cerimonial que continha as Cerimônias Chevalier e Legião de Honra no idioma original que foi escrito por Frank Sherman Land, tive uma dessas marcantes experiências. A ida a Boise, capital de Idaho, era esperada desde antes do embarque para os EUA. Por e-mail, Greg avisou que nesse final de semana ele teria que ir até lá para participar das cerimônias e que eu deveria ir com ele. Afinal, as aulas só começariam na segunda (21). A viagem, como relatei nos dois últimos posts, foi incrível, a começar pelas paisagens montanhosas, em alguns momento cobertas com um manto branco de neve. Mas estar lá, no Templo de uma Loja americana e assistir aquelas Cerimônias me fizeram sentir uma emoção que ainda não consegui relatar com todos os detalhes.

Eram seis Past Mestres Conselheiros Estaduais de Idaho presentes. O mais antigo, Frank Ilett, foi MCE em 1959-1960, quando nem meus pais imaginavam nascer. Homenageado por completar 50 de atividade Maçônica, o senhor que ter entre 60 e 70 anos, levantou para afirmar em alto e bom som: “eu conheci Dad Land pessoalmente”. Aquilo parece uma marca registrada da antiguidade aqui nos EUA. Você pode até ser velho na Ordem DeMolay, mas se você conheceu Dad Land pessoalmente você é considerado patrimônio imaterial da Ordem, algo que jamais será superado. Pena que logo após a homenagem o jovem senhor saiu acompanhado por sua esposa, o que impediu perguntas e mais perguntas.

Na sequência, assisti duas Cerimônias com rigor ritualístico incrível. Lógico que existiram alguns pequenos erros, afinal eram humanos, mas eles tinham o máximo de cuidado para seguir o que está escrito no manual de cerimônias, o mesmo que Dad Land havia participado da construção, algumas décadas atrás. A grande diferença, entretanto, faz parte do nosso cotidiano como brasileiros. Faltou aquela emoção que perpassa por todos os que estão sendo homenageados para aqueles que fazem a cerimônia ou que assistem. Lembro que todas as homenagens que participei (excetuando-se algumas, claro), essa foi a menos emotiva, se é que posso falar assim. Porém, apesar da falta de emoção deles, eu estava bastante empolgado em assistir às cerimônias.

Eles ainda são os mesmos e alguns vivem, felizmente ou infelizmente, como os próprios pais…

Anúncios
Comments
One Response to “Ainda são os mesmos como os próprios pais”
  1. Henrique Azevêdo disse:

    Eu imagino o que você deve ter sentido meu irmão.
    Espero ter a oportunidade de participar de momentos iguais à estes nos EUA. Estar nestes lugares marcantes, com pessoas que fazem a Ordem DeMolay há mais de 5 décadas, deve ser algo alucinante pra quem é viciado na Ordem.
    Mantenha-nos informados destas experiências meu irmão, tanto da sua rotina de estudos aí, quanto das novidades DeMolay.

    Forte Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: