Partido dos Trabalhadores na Bahia nega orientação para isolar o PSB

O desgaste na relação entre PT e PSB no plano nacional ganhou novos contornos a partir da divulgação do suposto isolamento recomendado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aos socialistas nos estados. A informação, apesar de circular como parte dos bastidores do poder em Brasília, foi rechaçada pelo presidente estadual do PT, Jonas Paulo, que, segundo o próprio, obteve informações do encontro entre a presidente Dilma Rousseff e Lula. “Não recebi essa orientação. Não posso falar que não tem, mas eu não recebi”, sinaliza o petista. “De qualquer maneira, na Bahia o Eduardo Campos é desconhecido e o isolamento dele é automático, não depende disso”, alfineta.

O petista nega, no entanto, ter classificado o PSB como oposição no estado. “O palanque da sucessão do governador Jaques Wagner e dos aliados é o palanque da reeleição da presidente Dilma Rousseff. É o mesmo projeto do presidente Lula”.

Para ele, não cabe ao PT ou a qualquer outro partido definir os rumos do PSB, apenas a opção dos dirigentes da sigla. O dirigente, todavia, não cita nominalmente a senadora Lídice da Mata, presidente estadual do PSB, ainda que recentemente os ânimos entre as legendas tenham sido acirrados a partir de supostas declarações de que uma eventual candidatura da senadora ao governo a tornaria oposição na Bahia. “Não estou falando que é oposição. Nossa chapa será formada por partidos que apoiam a candidatura da presidente Dilma. Isso não quer dizer que os partidos que não apoiam não devem fazer parte do governo. Cabe ao governador Jaques Wagner decidir isso”, aponta.

Nas entrelinhas de Jonas Paulo e também por informações chegadas à Tribuna, os rumores de que o PSB pode ser convidado a se retirar do governo começam a surgir com mais frequência nas rodas de conversa. “O caminho para a construção ou não de uma candidatura do PSB é uma decisão do PSB. Não nos cabe interferir. Os rumos do partido cabem ao PSB”, sugere o petista. O clima tenso ganhou ainda mais forma no decorrer da semana, como reflexo da ressaca após o anúncio da adesão de Marina Silva e defensores do Rede Sustentabilidade ao PSB, liderado por outro pré-candidato à Presidência da República, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Procurada, Lídice, por meio de sua assessoria, afirmou que não teceria comentários sobre o assunto no momento.

*Publicada originalmente na Tribuna da Bahia de 12 e 13 de outubro de 2013

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: